Supernova

Vivo querendo e, de tanto querer, nem vivo.
Labuto no desconsolo do eterno porvir,
naquela expectativa que se autorrenova
e nunca se concretiza.

Se eu pudesse, ao menos, desquerer um tanto,
o conflito se dissolveria em resquícios
e o antes querido, impossível de ser tido,
estouraria feito bolha de sabão.

As gotículas se espalhariam brilhantes,
feito uma supernova, fascinante e rara,
anunciando o começo de um fim diferente.

Um fim despido de toda angústia,
desconectado de uma sina inventada,
imerso em um oceano de possibilidades.

Vanderley Sampaio
in Demetrius

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *